A história do grafite

A história do grafite é relativamente recente, tendo em conta que só surgiu no século passado, na década de 70, mais precisamente em Nova York. Mas afinal o que é o grafite? É sujar paredes, ou arte?

A história do grafite

O que é história do grafite

Podemos dizer que a definição de grafite é que é uma manifestação artística feita em espaços públicos como por exemplo, paredes, edifícios, ruas, etc.

A palavra grafite significa escritas feitas com carvão. Vem da palavra italiana graffiti, que tem como significado, marca ou inscrição feita por raspagens ou arranhão na parede.

A história do grafite e como tudo começou

A história do grafite pode ter começado na década de 70, no século XX, mas há quem defenda que no Antigo Egito temos as primeiras manifestações deste tipo de desenho. Como por exemplo, os desenhos feitos nas paredes. Mas há quem diga que antes dos egípcios, já os homens das cavernas o faziam com os seus desenhos nas cavernas.

A história do grafite

O grafite no tempo

A história do grafite mostra-nos que vai ser a partir do movimento contracultural que ocorreu em Maio de 68, onde os muros em Paris serviram de tela para as inscrições de carater ético-politico, que o grafite se vai espalhar pelo mundo. Atravessando mesmo o oceano e ir parar a Nova York na década de 70.

A história do grafite também nos ensina que o grafite está diretamente ligado a uma série de movimentos, entre os quais o Hip Hop. Isto porque tal como o Hip Hop, a essência do grafite é expressar a dura realidade e a opressão que a maioria da sociedade vive no dia a dia, principalmente, no que toca a dinheiro e os mais desfavorecidos.

A história do grafite diz-nos que o grafite é como se fosse a voz e que desta forma, atravez de desenhos na parede conseguisse refletir e mostrar a verdade nua e crua das ruas.

Em nova York, os primeiros graffites a serem feitos, foram no bairro do Bronx, usando tinta de spray. Não nos podemos esquecer que estamos nos EUA, na década de 70, o que faz com os jovens de então protestassem contra a ordem social, dando assim inicio a um grande movimento de arte urbana.

O grafite no mundo

A história do grafite mostra-nos que com o tempo o grafite foi melhorando a sua imagem e separando-se daqueles que apenas sujavam as paredes com rabiscos. Mas, apesar do grafite viver bons tempos, não nos podemos esquecer, que ainda hoje é alvo de polémicas, principalmente no que toca ao aspeto artístico da coisa.

A história do grafite nos mostra que até há bem pouco tempo, o graffiti a visto como uma poluição visual e até mesmo ato de vandalismo, e não como uma forma de arte, legitima.

Mas atenção, não podemos confundir grafite com pichação. Esta última, tem como intenção e carateristica de passar a impressão de expor como que um grito, um ato de revolta num determinado local da cidade.

A pichação é caraterizada através de escritos em muros, monumentos, prédio e até em vias publicas.

Podem parecer semelhantes mas são bem diferentes, pois o graffiti requer diversas técnicas, cores. São obras muito mais complexas e que transmitem informações e opiniões através da pintura. Quase como um quadro numa tela, que é um pedaço da cidade.

A história do grafite

A história do grafite no Brasil

No Brasil, o graffite chegou no final da década de 70, mais precisamente na cidade de São Paulo, numa época conturbada do Brasil, em que havia uma ditadura militar.

A história do grafite mostra-nos que tal como acontecera em Nova York, e creio que um pouco por todo o mundo, o graffite chega ao Brasil como uma arte transgressora, tornando-se a linguagem das ruas e da marginalidade, sem pedir qualquer tipo de licença para expor os problemas que a geração de então vivia, pelas paredes da cidade.

E uma vez que este tipo de movimetno consiste em ressaltar o graffiti em si, carateriza-se por ter autores anónimos. E foi assim , com este tipo de filosofia que o grafite foi crescendo e ganhando cada vez mais espaço.

Pelas ruas do Brasil pode-se ver as diversas mensagens, e os vários temas abordados, quer sejam de cunho politico, social, cultural, humanitário ou até mesmo artístico.

A ideia é levar a arte a todos e não estar simplesmente confinada em museus ou em centros culturais.

A história do grafite

O grafite nos dias de hoje

A história do grafite mostra-nos que ele ainda persiste nos dias de hoje e que vai acompanhando os tempos. Hoje em dia, o grafite tem estilos mais inovadores e tem conseguido permear a sociedade o suficiente para já fazer parte da cultura popular americana. Por exemplo, marcas como a Nike já incorporam muitos aspetos estéticos de grafite nos seus produtos, ou a IBM, que tem usado o grafite como um meio de marketing.

Sabia que

Grafiteiro/writter – o artista que pinta.

Bite – imitar o estilo de outro grafiteiro.

Crew – conjunto de grafiteiros que se reúne para pintar ao mesmo tempo.

Tag – assinatura de grafiteiro.

Toy – grafiteiro iniciante.

Spot – lugar onde é feita a arte do grafitismo.

Spray art – pixação de signos, palavras ou frases de humor rápido, aqui valoriza-se o desenho.

Stencil art – o grafiteiro usa um cartão com formas recortadas que, ao receber o jato de spray, só vai deixa passar a tinta pelos orifícios determinados, valorizando assim a cor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.