A história da ginástica rítmica

A história da ginástica rítmica, por incrível que pareça é uma história recente, pois só tem pouco mais de um século. É como se fosse ainda um bebé no mundo das histórias das coisas. Vamos lá ver o que a história da ginástica rítmica tem para nos contar…

a historia da ginástica rítmica

O que é

É uma modalidade que mistura a dança e movimentos extremamente coordenados e cujos os seus praticantes começam bem cedo, na sua infância. Baseia-se no comando direto e na repetição de tarefas. E é praticada exclusivamente por mulheres desde o século 20.

A história da ginástica rítmica e o inicio

A historia da ginástica rítmica pode-se dizer que tem o seu começo no final do século 19 e inicio do século 20. E apanhou boleiadas ideias de IG Noverre (1722-1810), F. Delsarte (1811-1871) e R. Bode (1881) para conseguirem fazer uso dos movimentos emprestados da dança, num processo de exercício de diferentes partes do corpo humano, desenvolvendo assim a expressividade estética e a graciosidade.

Foi Emile Jacques Dalcroze, de nacionalidade Suiça que teve a ideia de acrecentar música e o ritmo à ginástica desportiva, o que fez, com que trouxesse uma mistura entre arte e beleza na execução dos seus movimentos acrobáticos ao ritmo da música.

Este desporto que nasceu de uma união entre técnicas de movimentos, terapia respiratória, terapia de relaxamento e dança entre outros componentes acabou por ficar conhecido como ginástica rítmica.

A ginástica rítmica e o século 20

A Ginástica Rítmica começou a ser praticada a partir do final da Primeira Guerra Mundial, mas não na altura não tinha regras especificas nem um nome designado. Várias escolas inovavam os exercícios tradicionais da Ginástica Artística, misturando-os com música.

Por volta de meados de 1940, a ginástica rítmica tornou-se competitiva. E isto começou na antiga ex-União Soviética, onde campeonatos nacionais são disputados desde 1942. Inicialmente era conhecida como ginástica moderna, contudo em 1946, vai ser na Rússia, que vai surgir o termo rítmica pelo fato de que para se praticar era usado música e dança.

A história da ginástica rítmica diz-nos que em 1948 durante as Olimpíadas de Londres, alguns países disputaram a modalidade participando em dois eventos com suas equipas, um com um instrumento à sua escolha e outro de mãos livres acompanhados por música. Quatro anos depois foi fundada a Liga Internacional de Ginástica Moderna, com a intenção de mostrar este desporto com competições e demonstrações, e neste mesmo ano nos jogos Olímpicos de Helsínquia, a modalidade foi incluída como desporto para demonstração.

A história da ginástica rítmica faz-no dar um salto até 1961, quando alguns países da Europa de Leste organizam o que vai ser o primeiro campeonato internacional da modalidade. No ano seguinte, a Federação Internacional de Ginástica (FIG) reconheceu a GRD com um desporto. E a partir de 1963 começam a ser realizados os primeiros campeonatos mundiais promovidos pela FIG. A maior parte dos aparelhos utilizados atualmente foram introduzidos nesta competição, com a exceção da fita e das maças.

Em 1984, a GRD foi reconhecida pelo Comité Olímpico Internacional e introduzida nos Jogos Olímpicos daquele ano. No entanto, as melhores ginastas do mundo, provenientes dos países do Leste Europeu, não participaram da competição devido ao boicote liderado pela ex-União Soviética.

a historia da ginástica rítmica

A ginástica rítmica e os jogos olímpicos

A história da ginástica rítmica diz-nos que a primeira medalha de ouro olímpica deste desporto ficou com a canadense Lori Fung. Em Seul-1988, o desporto conseguiu finalmente conquistar o público e se popularizar. Marina Lobach, da URSS, ficou com a medalha de ouro, enquanto a búlgara Adriana Dunavska levou a prata.

Em Barcelona-1992, Aleksandra Timoshenko, competindo pela Comunidade dos Estados Independentes, foi a vencedora.

Em Atlanta-1996, a Federação Internacional de Ginástica (FIG) introduziu a competição de conjuntos nos Jogos Olímpicos. A Espanha conquistou a primeira medalha de ouro olímpica dessa categoria.

Nos Jogos Olímpicos de Sydney, no ano 2000, o conjunto da Rússia confirmou seu favoritismo enquanto a Espanha nem se classificou para a final. No individual a vencedora foi Anna Bussukova, da Rússia.

Em 2004, na Olimpíada de Atenas, Grécia, a Rússia confirmou seu favoritismo, ratificando a sua posição na liderança mundial na modalidade, classificando-se em primeiro lugar, seguido da Itália em segundo e Bulgária na terceira posição. No individual, a ginasta Alina Kabaeva da Rússia sagrou-se campeã olímpica, seguida de Irina Tchachina também da Rússia e Anna Bessonova da Ukrania.

a historia da ginástica rítmica

Ginástica rítmica no Brasil

A história da ginástica rítmica no Brasil só começa por volta de 1950, pelas mãos de uma professora húngara Ilona Peuker. Em 1956, a professora fundou o Grupo Unido de Ginastas, primeira equipe brasileira de ginástica rítmica, e posteriormente realizou os primeiros campeonatos da modalidade.
A primeira competição nacional aconteceu em 1971, num evento que foi promovido pela extinta CBD (Confederação Brasileira de Desportos), e reuniu todas as atletas das federações fluminense, carioca (na época, o estado do Rio de Janeiro e da Guanabara eram separados) e mineira.
O Brasil fez sua estreia olímpica na ginástica rítmica em 1984, com um 24° lugar de Rosana Favila na disputa individual. Na prova de conjunto, que foi realizada pela primeira vez em Atlanta 1996, as brasileiras estrearam em Sydney 2000, terminando na oitava posição em um total de dez países participantes.

O equipamento

A história da ginástica rítmica mostra-nos que neste tipo de ginástica é possível usar cinco instrumentos. Cada um pode ser usado em uma performance dependendo da necessidade, vejamos a seguir quais são nesse resumo da ginástica rítmica:

Corda – o aparelho Corda para GR pode ser de sisal ou sintético, com o comprimento variando de acordo com o tamanho da ginasta. O exercício corporal predominante no aparelho corda é o salto.

Arco – o aparelho Arco para GR mede 80 a 90 cm de diâmetro e pesa no mínimo 300 gms. Não existe um exercício corporal predominante para o aparelho Arco. Deve haver um equilíbrio entre os exercícios apresentados: salto, equilíbrio, pivots, flexibilidade e ondas.

Bola – o aparelho Bola para a GR deve ter de 18 a 20 cm de diâmetro externo, pesar 400 gms no mínimo e ser de borracha. O exercício corporal predominante do aparelho Bola é a flexibilidade e ondas.

A história da ginástica rítmica

Maças – o aparelho Maças é composto de duas maças de 40 a 50 cm e ter 150 gms, no mínimo, cada uma. Cada maça deverá ter 3 cm, no máximo, na cabeça e poderá ser de madeira ou material sintético. O exercício corporal predominante do aparelho maças é o equilíbrio.

Fita – o aparelho Fita para a GR deve ter 6 metros no mínimo e pesar 35 gramas. A largura da Fita é de 4 a 6 cm e o material pode ser de cetim de qualquer qualidade. O estilete onde prende a Fita deve ter de 50 a 60 cm e a base deste estilete deve ter no máximo 1 cm de diâmetro. O exercício corporal predominante no aparelho Fita é o pivot.

A história da ginástica rítmica

As competições

A história da ginástica rítmica e a sua evolução faz com que consiga ter bastante campeonatos, o desporto possui um bom ritmo de competições seja no aspecto mundial ou no nacional. Podemos dividir neste resumo de ginástica rítmica os principais eventos onde há competições desse desporto em seis:

Jogos Olímpicos – Reúne ginastas de várias nações classificadas para o evento. Acontece a cada quatro anos e as competições são por equipes com até três ginastas.

Campeonato Mundial – Acontece todo o ano desde 1963 com uma pausa apenas em anos olímpicos. Reúne ginastas de vários países.

Copa do Mundo – A periodicidade deste torneio é por temporada, dividido por etapas que acontecem durante todo o ano.

Jogos Mundiais – Acontece a cada quatro anos com participante de várias nações, porém não há modalidades olímpicas, mas sim estabelecidas pelo COI (Comité Olímpico Internacional). A ginástica rítmica foi incluída neste torneio em 2001.

Jogos Asiáticos – Neste campeonato só há participantes do continente asiático, com a realização a cada quatro anos.

Campeonato Europeu – Uma disputa anual, mas que entre os anos de 1978 à 1998 só acontecia a cada dois anos.

Pan-americanos – Torneio onde se reúnem ginastas dos três continentes americanos (Norte, Central e Sul), é realizado a cada quatro anos.

Sul-americanos – Também realizado a cada quatro anos, porém apenas atletas do continente sul-americano.

1 Comment

  1. Lindalva
    26 Setembro, 2018

    Muito boa explicação

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.