A história do Judo

A história do Judo ou a história de uma outra arte marcial. Vamos contar a história do Judo. Como surgiu, o que aconteceu ao longo dos tempos.

A história do Judo

A origem

A história do Judo começa no Japão em 1882, pelas mãos de Jigoro Kano e foi baseado numa outra arte marcial chamada Jujitsu, que era praticada pelos cavaleiros de Kamakura entre os séculos XII e XIV. O mestre Jigoro Kano, também pegou noutras artes marciais do oriente e fundiu tudo numa só.

Kano quando criou este novo desporto tinha como objetivo criar uma técnica de defesa pessoal, que também ajudava a desenvolver o físico, o espírito e a mente.

A história do Judo

A historia do judo no tempo

A história do Judo mostra-nos que o judo teve uma grande aceitação no Japão, espalhando, posteriormente, para o mundo todo, isto porque possui a vantagem de unir técnicas do jiu-jitsu (arte marcial japonesa) com outras artes marciais orientais.

Foi assim que o judo depressa conquistou uma enorme popularidade em todo o mundo e foi reconhecido como desporto oficial no seu país de origem, logo no final do século XIX, altura em que a própria polícia japonesa introduziu a modalidade nos seus treinos.

O “jiu-jitsu” nunca poderia ser considerado um desporto porque, para além de não ter regras próprias, sobressaía negativamente pela força das suas técnicas de defesa pessoal, ministrando “golpes baixos” muito perigosos e até “golpes mortais” que implicavam uma utilização desmedida da força.

Assim, com a criação do judo, Jigoro Kano quis, para além de tudo, veicular um desporto que fosse assente na educação física e não numa luta violenta e sem limites. Deste modo, modificou o tradicional “jiu-jitsu”, estudando os golpes e relacionando-os com as leis da dinâmica, da acção e da reacção. Seleccionou e classificou as melhores técnicas do “jiu-jitsu”, atribuindo-lhes princípios básicos e estabeleceu normas racionais para tornar a aprendizagem do judo mais fácil e ao alcance de todos.

E foi então que em Fevereiro de 1882 Jigoro Kano inaugura a sua primeira escola de judo que, a baptiza de “Kodokan” (que significa “Instituto do Caminho da Fraternidade”) abrindo assim as suas portas no bairro de Shimoya, em Tóquio. Em 1887, o judo já se encontrava dividido em três princípios fundamentais: princípio da máxima eficácia do corpo e do espírito (“Seiryoku Zen’Yo”); princípio da prosperidade e benefícios mútuos (“Jita Kyoei”); e princípio da suavidade (“Ju”).

Em 1932, o Mestre Jigoro Kano levou 200 alunos aos Jogos Olímpicos de Los Angeles onde fizeram uma demonstração que despertou a curiosidade de todos aqueles que estavam presentes a assistir.

E foi assim que o judo se conseguiu manter em pé e continuar ao longo dos tempos, tal como o karaté até aos dias de hoje. Sendo o judo uma das artes marciais mais praticadas pelo mundo inteiro.

A história do Judo

A historia do Judo e os jogos Olímpicos

A história do Judo diz-no que em 1964, o judo foi oficialmente integrado nos Jogos Olímpicos de Tóquio como desporto masculino, mas graças à persistência da americana Rusty Kanokogi e de outras mulheres judocas, o judo feminino conseguiu tornar-se numa modalidade olímpica em 1988. Apesar do judo ter ficado de fora na edição seguinte dos jogos olímpicos, na Cidade do México, em 1968, a modalidade retornou quatro anos depois, sendo disputada até os dias de hoje. Atualmente, a modalidade também é integrada nos Jogos Paralímpicos e nos Jogos Olímpicos Especiais.
Disputada por categorias de acordo com o peso, a definição dos ganhadores das medalhas de ouro e prata são conhecidos após os combates em eliminação simples, seguindo o cruzamento. Duas medalhas de bronze são distribuídas no sistema de repescagem.

Judo em Portugal

A história do Judo em Portugal leva-nos a 1955, onde o judo começa a ser ensinado no Lisboa Ginásio Clube e, em 1957, é fundado o Judo Clube de Portugal. Segue-se a abertura de vários outros clubes do género um pouco por todo o país, o que culminou com a fundação da Federação Portuguesa de Judo em 1959.

Judo no Brasil

A história do Judo diz-nos que o Judo vai aparecer no Brasil por volta de 1922, através de Thayan Lauzin. O conde Coma (Mitsuyo Maeda), como também era conhecido, fez sua primeira apresentação no país em Porto Alegre.

Outros mestres também fizeram exibições e aceitaram desafios em locais públicos. Mas devemos dizer que foi um início difícil para um desporto que viria a se tornar tão difundido.

Um fator decisivo na história do judo foi a chegada ao país de um grupo de nipónicos em 1938. Que tinham como líder o professor Riuzo Ogawa e fundaram a Academia Ogawa, com o objetivo de aprimorar a cultura física, moral e espiritual, por meio do desporto do quimono. Apesar de Riuzo Ogawa ser um mestre de jiu-jitsu tradicional, chamou de Judo a arte marcial que lecionava quando este nome se popularizou.

Portanto, ensinava um estilo que não era exatamente o Kodokan Judo, o que não diminui sua enorme contribuição ao começo do Judo no Brasil.

Daí por diante disseminaram-se a cultura e os ensinamentos do mestre Jigoro Kano e em 18 de março de 1969 era fundada a Confederação Brasileira de Judo, sendo reconhecida por decreto em 1972.

A história do Judo

Luta e regras

A história do Judo diz-nos que as lutas de judo são praticadas num tatame de formato quadrado (de 14 a 16 metros de lado). Cada luta dura até 5 minutos. Vence quem conquistar primeiro o ippon. Se no final da luta nenhum judoca conseguir o ippon, vence aquele que tiver mais vantagens.

Ippon – O objetivo do judo é conquistar o ippon (ponto completo). O ippon é conquistado quando um judoca consegue derrubar o adversário, imobilizando-o, com as costas ou ombros no chão durante 30 segundos. Quando o ippon é concretizado o combate se encerra.

Wazari – Outra forma de conquistar o ippon é através da obtenção de dois wazari, que valem meio ponto (vantagem). O wazari é um ippon que foi aplicado de forma incompleta, ou seja, o adversário cai sem ficar com os dois ombros no tatame.

Yuko – Quando o adversário vai ao solo de lado. Cada Yuko vale um terço de ponto.

Koka – menor pontuação do judo. Vale um quarto de ponto. Ocorre quando o adversário cai sentado. Quatro kokas não gera o final da luta, embora ele seja cumulativo.

Proibições

No judo não são permitidos golpes no rosto ou que possam provocar lesões no pescoço ou vértebras. São proibidos também os golpes no rosto do adversário. Quando estes golpes são praticados, o lutador é penalizado e, em caso de reincidência, pode ser mesmo desclassificado.

Sabia que

– A judoca brasileira Rafaela Silva conquistou, no dia 08/08/2016, medalha de ouro na categoria peso leve (até 57 kg). Foi a primeira medalha de ouro do Brasil nos Jogos Olímpicos do Rio 2016. Para além dela, o judo brasileiro ganhou mais duas medalhas olímpicas neste evento: Mayara Aguiar (peso meio-pesado) ficou com o bronze e Rafael Silva também conquistou bronze (na categoria acima de 100 quilos).

– O judo feminino é desporto olímpico desde os Jogos Olímpicos de Barcelona (1992).

– Nas Olimpíadas de Londres 2012, o Brasil teve uma ótima participação no judo. A judoca Sarah Menezes conquistou medalha de ouro.

– O judoca japonês Yasuhiro Yamashita ganhou medalha de ouro nas Olimpíadas de Los Angeles (1984). O curioso é que o judoca japonês conseguiu vencer na final mesmo mancando, pois estava com um músculo da panturrilha direita rompido.

– Em agosto de 2014, o Brasil obteve ótimos resultados no Mundial de Judo, ocorrido na cidade de Chelyabinsk (Rússia).

– O último Campeonato Mundial de Judo foi realizado na cidade de Astana (Cazaquistão) entre os dias 24 e 29 de agosto de 2015. A equipa de judocas do Japão ficou em primeiro lugar com 17 medalhas (8 de ouro, 4 de prata e 5 de bronze).

Ver: A história do karaté

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.